Posts Tagged ‘romance policial’

Hoje eu gostaria de escrever como Dashiell Hammett

12 de fevereiro de 2017

Organizando filmes, descobri preferência, em minha coleção, pelo cinema itaiano. De Roma cidade aberta até Aprile. Caro Diário, do Nanni Moretti, tem uma cena em que ele vai de moto até o lugar onde Pasolini morreu. A música é do álbum Köln Concert, do Keith Jarrett. Sem economia de tempo ou de espaço. A gente acompanha a moto, vendo o mar.

Ontem assisti  One from the heart, do Coppola. Gostei bem mais do que me lembro de ter gostado. Não é só a trilha sonora. Os atores, os diálogos e o cenário, encantam do começo ao fim. Melhor do que La la land? Mais espontâneo, talvez.

Separei os filmes que quero rever: Buena Vista Social Clube, Pina, Alice nas cidades. Assisti Hammett domingo. O personagem é o escritor Dashiel Hammett. É como se ele tivesse escrito a história que ele vive. Escreveu, provavelmente. Mas é ficção. O filme é do Wim Wenders e li depois na internet que foi filmado duas vezes. Só vimos a segunda. A primeira, com cenas externas, não foi aceita pelo estúdio e não existe mais. Dashiell Hammett marca uma fase dos romances policiais em que a história é contada ao mesmo tempo em que acontece. Sandra Lúcia Reimão, em O que é romance policial, da Brasiliense, explica que, na fase da série negra, que sucede o romance de enigma, a ação é importante e as paixões, os sentimentos, também. O detetive se envolve na trama e não há reflexões psicológicas. Sam Spade, o investidor de Dashiell Hammett, é falível, não é um super decifrador de pistas e sinais como são Holmes e Dupin. O mundo do crime reproduz a sociedade capitalista. O filme de Wim Wenders é muito fiel à série negra do romance policial. Hammett é o escritor que investiga de maneira atrapalhada, perde os originais que passa o filme procurando.

Estou começando um novo romance. Ainda em processo, pesquisando, me organizando mentalmente. Tenho um personagem, o nome dele é Tito (por enquanto). Nasceu na Alemanha, em Berlim oriental. Veio para o Brasil depois da queda do muro e, aqui, ficou rico, envolveu-se em encrencas que ainda desconheço, foi preso, libertado e voltou para Berlim. Aqui era casado com uma moça que ainda não tem nome, ela narra a história. Depois que ele saiu da cadeia, se separaram. Estou mais ou menos neste ponto, 8 páginas. Ainda não perdi meus originais e hoje, com o computador, é difícil isso acontecer porque tem muito espaço na nuvem para salvarmos nossos arquivos. É verdade que pode acabar a luz ou acontecer uma coisa forte que elimine nossa energia e destrua os dados armazenados em locais esquisitos. Por isso é bom imprimir de tempos em tempos. Hammett viu páginas datilografadas boiando, espalhadas, perdidas. Essa imagem das páginas espalhadas é incrível.

Eu me pergunto se preciso escrever um romance policial e me pergunto se o livro que escrevo é policial. Quero que tenha suspense. Como já li em Modiano, uma vez, não lembro onde, o melhor de escrever o livro é esse devaneio.

Já quis escrever como Simenon e como Chandler (ainda quero escrever como Chandler). Mas, hoje, quero escrever como Hammett.

Romance policial (3)

24 de setembro de 2014

foto (3)

Há vários tipos de romance policial. Raymond Chandler, Agatha Christie, Patricia Highsmith, Patricia Cornwell, Simenon, são autores completamente diferentes um do outro. A  identidade entre eles é a interrogação em torno de um crime. Lawrence Block, Tony Bellotto, Raphael Montes, cada um tem um jeito de mostrar quem matou quem. E esse estilo de contar mostra  a concepção de mundo do escritor e de seu tempo.

Luiz Bras escreveu no Guia da Folha um artigo legal na Folha sobre literatura policial, publicado em seu blog: “Crimes que compensam” (http://luizbras.wordpress.com/category/resenha/).

Para mim, no romance policial,  o detetive, é o mais importante. Não tenho interesse no crime. O romance policial começa pelo fim da história: alguém morreu. E o detetive se volta para o passado. Ele precisa ser simpático, senão o leitor não acompanha a volta no tempo.  Kay Scarpetta,   Marlowe,  Poirot,  Maigret, outros tantos, são pessoas com as quais se pode identificar. O curioso é saber como eles fazem as perguntas, como pensam, como se relacionam com as pessoas, como encontram tempo e espaço para perguntar. O curioso é ver que erros cometem – e cometem vários, nenhum deles é perfeito. Um dos detetives de Lawrence Block, por exemplo, é ladrão: Bernard Rhodenbarr. Mas ele tem uma livraria, e por isso está desculpado.

Encontrei na internet (banco de teses da USP) trabalho acadêmico  de Raquel Vieira Parrine Sant’Ana: “Contradições do detetive: a literatura policial como problema para a teoria literária em obras de Machado de Assis, Jorge Luis Borges e Roberto Bolaño”.

Ela discorre com clareza sobre as interrogações possíveis do romance, compara Machado de Assis a Borges e Bolaño e diz, no fim, que o detetive nunca volta para casa, nunca está satisfeito com seu trabalho: ele continua a buscar o segredo, ainda que de outros crimes.

“Os detetives selvagens”, de Roberto Bolaño, é um policial mais amplo e mais complexo. Bolaño se arrisca mais,  não segue fórmulas, não preenche vazios. Li uma entrevista (livro digital especificado na fotografia que segue, Kobo) em que ele revela a vontade de ter sido um detetive (de homicídios), teria preferido esse ao ofício de escritor. E em outro trecho  diz, então comentando 2666, que ser um escritor é tão perigoso quanto ser um detetive: “Being a writer in this world is as dangerous as being a detective, walking through a graveyard, looking at ghosts” (li em inglês).

foto (4)

Andei lendo bastante sobre o romance policial. Escrevi um, “Nove tiros em Chef Lidu”, que será publicado em breve pela Editora Circuito. A vítima, Chef  Lidu, era chefe de cozinha de um restaurante francês. Mas ele estava de dieta e com vontade de diversificar o cardápio. Foi baleado no meio dessa mudança de vida.

O narrador é o Elvis, escrivão de polícia novo, que acompanha o Dr. Magreza na investigação. A inocência do narrador contrasta com a experiência do detetive e a combinação entre os dois resultou em uma história divertida de escrever.

Em meio a pudins de coco e sopa de tomates, Chef Lidu encontrou um desafeto que atirou para matar.

Logo o livro vai sair. Aviso vocês.

Conversando sobre Georges Simenon e o romance policial

8 de junho de 2014

20140603_195512

A Companhia das Letras está editando Georges Simenon no Brasil. Já publicou  cinco livros dele.

20140603_195549

A editora convidou o filho de Simenon para falar sobre o pai. A conversa aconteceu entre ele, John Simenon, Raphael Montes e Tony Bellotto, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, 3 de junho.

20140603_195609

Tony Bellotto é  escritor, inclusive de romances policiais. Ele criou Bellini,  ótimo personagem. Em Bellini e o demônio, o romance policial é discutido e faz parte da trama. Bellini procura um manuscrito de Dashiell Hammet. Hammett é um dos autores preferidos de Tony Bellotto. O livro é dedicado para Malu e o escritor.

20140603_195645
Raphael Montes fez sucesso com Suicidas (Saraiva-Benvirá). Companhia das Letras publicou seu segundo romance, Dias Perfeitos, que também faz sucesso. Os três conversaram e anotei algumas falas interessantes.

Maigret não é Simenon (ou Simenon não é Maigret), é quase o contrário dele. Maigret e sua mulher acabam formando uma dupla na investigação.  Ela tem papel importante nas histórias.  Simenon gastava muita energia escrevendo. Magret não julgava as pessoas,  ele as compreendia. Em suas histórias, entender a razão dos crimes é mais importante do que descobrir quem os cometeu (why is more important than who).

Foi bacana ouvir sobre o Simenon, um escritor que criou Maigret, personagem que vive nos livros e na inspiração. Pensei nele ao apelidar o delegado de meu romance policial de Dr. Magreza (Nove tiros em Chef Lidu, ainda não publicado). Na verdade, não fui eu que apelidei, foram seus investigadores, que viam os livros de Simenon nas bancas de jornal (há vários, editados pela L&PM).

Tony Bellotto disse,  a certa altura, que se diverte criando uma  história. Desvenda o final ao longo da escritura.

É assim pra mim também. No romance policial a narrativa, o modo de contar, é tão importante quanto o desfecho.

A conversa entre os três, de gerações bem diferentes, foi sobre Simenon, mas muito sobre romances policiais.

Acho que teremos cada vez mais romances policiais e leitores de romances policiais porque há interesse de todos na solução de um crime e na forma como a investigação pode acontecer. E, quando os detetives correm riscos, e são simpáticos, torcemos para que ele permaneça ileso, também. Às vezes não esperamos culpados ou inocentes, queremos participar da trama e entender como as coisas acontecem.

No romance policial, mesmo quando a punição não acontece, mesmo quando o detetive não é dos mais interessados na boa ordem das coisas, a narrativa põe a complexidade da vida no devido lugar.

Nove tiros em Chef Lidu (início do romance policial que escrevi, ainda não publicado)

31 de maio de 2014

Você deve ter ouvido falar de Chef Lidu. Aquele da Brasserie Lidu. Cozinha francesa. Também consta que pesquisava gastronomia molecular. Caviar de abóbora. Gelatina quente.

O restaurante ficava nos Jardins, em São Paulo. Perto da Rua Augusta.

Acabou. A mulher do Chef,  Darlene, ainda tentou manter um tempo,  não conseguiu. Ele tinha estilo, só ele tinha estilo. Conhecia os detalhes todos. Podia servir arroz com feijão e os clientes pediam mais. Claro que ele não servia arroz e feijão. Servia  le coq au vin. Poulet frites. French fries.

Chef Lidu estudava gastronomia para, quem sabe, mudar alguma coisa no restô. Ou mudar tudo. Ele tinha dúvidas.

Alguma transformação já começava, devagar, como a contratação do cozinheiro espanhol, por exemplo. Discípulo de Ferran Adrià (depois se descobriu que era mentira).

Chef Lidu pensava até em formigas no cardápio.

Chef Lidu era inquieto. Disseram também que gostava (pessoalmente) de uma boa macarronada. Era o que comia à noite, quando chegava em casa (se bem que seus hábitos estivessem mudando). Isso antes de Monalisa. Depois de Monalisa,  mudou o regime alimentar. Aí, só sopa de tomates.

Hábitos alimentares de um chefe de cozinha assassinado nunca interessaram tanto os curiosos. A imprensa explorou esse aspecto da história toda.

Londres é o lugar da ficção

3 de novembro de 2013

hogwarts

Londres é o lugar perfeito para  ficção.  Sherlock Holmes, Hercule Poirot,  James Bond,  Harry Potter, vivem  lá.  Sherlock mora na  Baker Street 221 b.

baker

Edições dos livros de Agatha Christie estão nas livrarias no exato formato em que lançadas. Na época em que Agatha Christie era novidade, as capas dos livros explicavam quem ela era, informação que, hoje, não faz qualquer sentido. Mas é muito legal ver as capas originais. Elas dão mais vontade de ler, as histórias parecem novas.

Fui a Hogwarts. J.K Rowling criou um mundo e tanto para  Harry Potter, que o cinema reproduziu bem.  Figurinos, maquetes, mobiliário, tudo está lá. A fantasia não tem limites.

Mas há realidade, também. Na Biblioteca Britânica, está um documento jurídico importante: a Magna Carta, que em 1215 estabeleceu limites ao poder real. Fui lá e vi.

Vi também o primeiro Folio de Shakespeare (http://www.bl.uk/onlinegallery/onlineex/landprint/shakespeare/).

A Biblioteca Britânica é um lugar maravilhoso.

Vi a Pedra Rosetta, no Museu Britânico. E também a múmia de Cleópatra.

rosetta

Quase fui  ao lugar onde Winston Churchill  protegia-se dos bombardeios e fazia reuniões e discursos durante 2ª Guerra: Churchill War Rooms. Como diria Anette, a  personagem de “Viagem sentimental ao Japão”, uma viagem vale muito, e mais, pelos lugares não visitados. Memórias inventadas. Sinto como se  tivesse estado lá. Estive, mesmo,  na imaginação.

O que importa é que tanto os subterrâneos de Churchill como a belíssima maquete de Hogwarts   dão vontade de escrever e me fazem acreditar cada vez mais que a ficção faz todo sentido.

A imaginação é tudo, como diria Willy  Wonka, personagem  de Road  Dahl  em  Charlie and the Chocolate Factory. Assisti ao musical no Royal Theatre Dury Lane, na última fila do Balcão. Vi muito de cima, mas vi tudo. A certa altura, Mr. Wonka diz a Charlie que ele insiste sempre em fazer alguma coisa do nada, algo como “make something of nothing”, pelo que me lembro. Isso foi na sala em que havia um caderno onde Willy Wonka anotava suas ideias, sala que só Charlie visitou.

E então penso no romance policial que estou escrevendo, em como minha história pode ficar mais interessante, em como meus personagens podem ter vida e  um endereço certo, como Shelock: Baker Street, 221b.

sherlock

Romance policial (3): Grupo de leitura na Pauliceia Literária – Em defesa de Jacob, de William Landay (Record)

11 de junho de 2013

Capa Em Defesa de Jacob V3 RB.ai

Em setembro acontece, em São Paulo, a Pauliceia Literária 2013 (www.pauliceialiteraria.com.br), realização da Associação dos Advogados de São Paulo com curadoria de Christina Baum.

A programação inclui prévios grupos de leitura sobre livros de escritores que participarão de mesas e debates. Estive na AASP ontem para o primeiro grupo de leitura.

Discutimos Em defesa de Jacob, do norte-americano William Landay (http://www.williamlanday.com).

A Pauliceia Literária é realização de importante associação de advogados e é natural que, no contexto, sejam debatidos romances policiais de diversos estilos. E a conversa em torno dessa literatura interessante e especial proporciona, evidentemente, reflexão sobre sistemas jurídicos de punição.

Há várias razões para se ler um bom romance policial. Renato Mezan, em artigo publicado na coletânea Escritas do desejo: crítica literária e psicanálise, “Por que lemos romances policiais?” (Ateliê Editorial, p. 127-158), discorre longamente sobre o assunto.

O prazer de ler o romance policial está na curiosidade, na participação do leitor em um jogo que transforma o crime em problema intelectual cuja resolução lida com medo e angústia sublimados na investigação.

Renato Mezan relata conclusões da psicanalista francesa Sophie de Mijolla-Mellor relacionadas ao estudo da obra de Agatha Christie: quem gosta do gênero sabe que a história é de ficção, mas ainda assim a leitura mexe com dúvidas latentes sobre sexo, vida e morte. Ele escreve: “Talvez resida aí o apelo mais forte do gênero: por meio do que propõe em cena, ele mobiliza elementos psíquicos há muito esquecidos, mas que nem por isso perderam sua eficácia dinâmica- e a arte do escritor nos permite desfrutar deles sem risco nem culpa” (p. 158).

Ontem, no grupo de leitura, muitos temas vieram à tona: relação entre pai e filho, entre marido e mulher, dinâmica familiar, relação entre autoridade que investiga e colegas de trabalho, entre autoridades e advogados, sistemas de punição brasileiro e norte-americano, importância da defesa no processo penal, comunicação em redes sociais, adolescência, bullying.

Tudo isso está no livro e foi debatido pelo grupo formado por coordenador competente – Leonardo Sica – e leitores sensíveis e atentos.

Há alguns anos atrás, advogados e agentes políticos da persecução penal falavam muito pouco com a sociedade. Quando o faziam, usavam conceitos técnicos complexos e nem sempre bem compreendidos. Hoje, a situação é bem diferente. As pessoas querem saber como são feitas as investigações e os julgamentos e querem dar sua opinião.

Ao realizar a Pauliceia Literária, a AASP integra literatura e direito, mundos diferentes, mas focados, ambos, na difícil arte de conviver.