Archive for outubro \31\UTC 2012

Luiz Tatit na Casa do Núcleo

31 de outubro de 2012

O Rumo marcou época. Luiz Tatit conta bem a história do grupo: http://www.luiztatit.com.br/grupo_rumo/.
Eles eram intelectuais e sofisticados, mas simples. Discursivos. Poéticos. Estruturados. Espirituosos. Soltos. E a voz da Ná Ozzetti. Continua. Linda.
Luiz Tatit é professor de semiótica. Tem muitos livros publicados sobre esse assunto hermético. Quando canta suas canções, nada poderia parecer mais fácil. É difícil escrever fácil.
A Casa do Núcleo (www.casadonucleo.com.br) promoveu três noites de música e conversa com Luiz Tatit.
Na primeira, exibiu gravação de show com grupo Rumo em 2004, no SESC.
Na segunda, Tatit cantou canções do Rumo. Na terceira noite, cantou diversas dos últimos CDs, algumas parcerias e outras ainda não gravadas.
Esteve no palco da Casa do Núcleo com seu filho Jonas, também músico.
Os livros dele estavam à venda e estou aqui com “Semiótica à luz de Guimarães Rosa” (Ateliê Editorial).

Tatit examina escrita de Guimarães Rosa a partir de semiótica de Algirdas Julien Greimas.
A proposta é analisar a narrativa a partir de seus momentos de tensão, compreendendo, assim, como o interesse de um conto é preservado.
Tatit destaca, na introdução, aspectos que serão desenvolvidos, entre eles “interação entre surpresa e espera”, “importância do conceito de espera” e “intensidade como parâmetro musical de análise dos textos” (p. 16 e 17).
Guimarães Rosa é o grande escritor brasileiro e não consigo compreender como se pode traduzi-lo.
A língua portuguesa é o grande personagem em tudo o que escreve. Justamente por isso, lê-lo nem sempre é simples. A atenção deve estar dirigida à palavra em si e não só à história. Grande Sertão: Veredas, é meu livro preferido. Minha edição está gasta, amassada, porque demorei muito tempo andando com o livro pra lá e pra cá. Custei a me acostumar com a leitura.
De vez em quando, releio alguns trechos e é sempre uma surpresa, como se nunca tivesse lido.
Lendo o livro de Tatit, complexo, profundo e simples ao mesmo tempo, detenho-me na análise de “A terceira margem do rio” (p. 107-125). Gosto desse conto porque a história, não obstante estranha, me parece tão real. Muitas pessoas vivem na terceira margem do rio. Eu mesma, muitas vezes, estou nela, em espaço e tempo não determinados, ausente.
Este blog, por exemplo, está na terceira margem do rio.

As memórias do Sr. Nabokov

24 de outubro de 2012

Tem vezes que a gente lê prosa e é como se lesse poesia. Não importa a história, a coerência do relato, importa o som que as palavras produzem no pensamento. E a gente imagina o que está sendo dito.
Isso aconteceu agora comigo quando folheava o livro de Nabokov, A pessoa em questão, da Companhia das Letras (1994). É mais ou menos uma autobiografia, sem compromisso de ser uma autobiografia. Em inglês, o título é Speak, memory. E é isso mesmo.
Quando a gente começa a lembrar o passado, surgem falas, penumbras, ventos, ondas emotivas. A certa altura, ele diz: “Confesso que não acredito muito no tempo. Gosto de dobrar meu tapete mágico, depois de usá-lo, de modo a superpor uma parte do desenho a outra. Os visitantes que tropecem” (p. 123). Ninguém tropeça. Pelo contrário. O leitor desliza devagar.
Encontrei, dentro do livro, uma resenha do próprio Nabokov de seu livro, publicada na Folha de São Paulo, no Mais, em 18 de abril de 1999. Ele fala das memórias como se escritas por outro, pelo Sr. Nabokov. É muito interessante. Diz, por exemplo: “Com a permissão do autor, menciono aqui um de meus contatos acidentais com sua família”. E também: “O Sr. Nabokov deve achar estranha essa rememoração das extravagâncias literárias dos anos de sua juventude”.
O jornal dentro do livro está amarelado, mas intacto.
Imaginei, imediatamente, meu querido sogro, Tomás, destacando a resenha do suplemento para encartá-la no livro de modo que eu a lesse mais de 12 anos depois, hoje, exatamente.
E assim as memórias de Nabokov encontraram as minhas.

Perfil de Ana

17 de outubro de 2012

Com 38 anos, a vida de Ana Maria Babette Bajer Fernandes estaria apenas começando. Mas foi aí que a morte chegou, de surpresa: o coração parou sem aviso prévio.
Deixou tese de pós-graduação em direito penal por terminar, uma mãe aflita, um marido triste, três filhos meio perdidos e muito mais.
Nasceu em São Paulo, no dia 26 de dezembro de 1941, logo depois do Natal. Morreu em Santos, em 18 de março de 1980.
O pai era alemão e a mãe filha de italianos, combinação que, na época da 2ª guerra, não era das mais admiradas na sociedade. E, além de tudo, os pais tinham temperamentos muito diferentes, o que talvez dificultasse um pouco as coisas para ela. Criada à moda europeia, sem luxo, mas com incentivo ao estudo e à leitura, viajou muito pouco, não saiu do Brasil. Ana Maria nunca foi à Europa.
Estudou em colégio de freiras. Tornou-se perfeccionista em uma infância atormentada pela asma e pela necessidade diária de vencer uma timidez insuportável. Mesmo assim, teve aulas de declamação, francês, etiqueta, bordado, teatro. O bordado deveria ser perfeito: um bom bordado se conhece pelo avesso, dizia. Por isso os lençóis de linho do enxoval ainda são os mais belos.
Casou-se muito cedo, aos 18 anos, com advogado igualmente moço, que só queria a especialidade criminal. E a vida foi um pouco difícil até que ele se estabelecesse, anos depois. Logo vieram filhos. Ana Maria teve o privilégio de ter duas filhas nascidas no mesmo dia, com intervalo de dois anos exatos, em 62 e em 64. Concebidas na noite de Natal. Ou do aniversário?
Embora o casal tivesse um apartamento dado pelo pai de Ana Maria, as despesas eram pagas sem regularidade ou constância, já que advogado criminal às vezes ganha bem, às vezes ganha mal; e a programação de receitas e despesas não era o forte do marido de Ana Maria. Nem dela, que gostava de viver com perfeição.
Era uma mãe exigente que sabia ser flexível, também. Os filhos podiam fazer quase tudo, menos mentir, furtar e fazer fofoca. Mas eles sempre gostaram de ficar por perto.
Na década de 70, Ana Maria quis cursar a Faculdade de Direito. Entrou em primeiro lugar. Tirou 10 em quase todas as provas, todos os anos. Um mês antes da semana dos exames, trancava-se no quarto para estudar. Terminado o curso, logo entrou para o pós-graduação, em São Paulo, no Largo de São Francisco. Subia a serra duas vezes por semana, com o marido, que ficava esperando a aula terminar no corredor. Tirou conceito A em todas as disciplinas. Formada, tornou-se professora na Faculdade de Direito de Santos.
A dissertação, iniciada no fim da década de 70, era sobre tortura, tema que desafiava a ditadura ainda remanescente. Mas Ana Maria nunca teve receio. Se teve, não falou. Tinha medo de tirar nota baixa, de não concluir as pesquisas necessárias, de fazer um trabalho imperfeito, menos rigoroso – passava horas semanais em bibliotecas anotando referências e citações em cadernos e blocos. Não parecia ter medo de repressão. O desafio de fazer algo grandioso era maior. Sua mãe contava que, quando criança, teve uma febre muito forte e gritava “eu sou de vida ou de morte!”.
Ana Maria gostava de cinema. Adorava os filmes de Lina Wertmüller: “Por um destino insólito”, “Mimi, o Metalúrgico”, “Pasqualino Sete Belezas”, todos com Giancalo Giannini. Assistiu Regina Duarte em Réveillon. Gostava de ir a concertos, de ver as mãos do pianista e não seu rosto. Essa era uma dúvida que tinha. Era melhor ver as mãos ou o rosto? Antes de começar a faculdade, gostava de cozinhar e cozinhava muito bem. Depois, parou. Mas continuou a colecionar receitas elaboradas que eram executadas por auxiliares domésticas dedicadas. Colecionava fascículos de revistas de arte, também. E de moda. Tinha vontade de fazer coisas diferentes: na última festa de ano novo, aboliu o peru e a farofa. Serviu coquetel de camarão e camafeus. Gostava de Nhá Benta e curau. E de carpano, uma bebida um pouco amarga.
Depois que morreu, seu nome virou nome de escola municipal na cidade de Praia Grande: Escola Municipal Dra. Ana Maria Babette Bajer Fernandes. A escola é grande, foi ampliada. É uma escola pública muito boa, reconhecida na comunidade. E o marido de Ana Maria terminou e publicou sua dissertação em 1982. O livro tem o nome “Aspectos jurídico-penais da tortura”.
É um clássico, o primeiro livro jurídico que enfrentou a violência estatal no Brasil. Talvez Ana Maria tivesse terminado a tese de outra forma. Nunca se sabe. Mas o livro ficou muito bom do jeito que está. Está aí. É o primeiro livro sobre tortura.

Keith Jarrett vem ao Brasil.

15 de outubro de 2012

Estará na Sala São Paulo no dia 29 de outubro.
Meus pianistas prediletos: Glenn Gould, Bill Evans, Brad Mehldau, Keith Jarrett. Gosto de outros, mas dos quatro especialmente. Afetuosamente. Sentimentalmente.
Ouvi Keith Jarrett pela primeira vez por volta de 1983. Ouvi The Köln Concert, acho que na época todo mundo ouvia esse concerto. Era de arrepiar. Para a gente, que ouvia muito rock, Keith Jarrett foi transformador.A Wikipedia traz a história do concerto: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Köln _Concert.
Keith Jarrett não mudou meu pelo gosto pelos Rolling Stones e por Bob Dylan e por Talking Heads e David Bowie. Só enriqueceu meu modo de ouvir música. Uma pérola destacada ali no meu conjunto de prediletos. Eu começava a gostar de jazz, também. Django Reinhardt, Alberta Hunter, Duke Ellington – bem mais tarde.
Hoje eu gosto de tudo.
Não obstante os concertos de Keith Jarrett gravados em muitas cidades do mundo sejam lindos, The Köln Concert ainda é o melhor, para mim.
Também me emociono quando ele toca Bach. E canções melódicas, não improvisadas, como no álbum The melody at night, with you, que ele dedicou à mulher.
Sobre o disco, vale ler texto de Arthur Nestrovski -hoje diretor artístico da OSESP- em “Notas musicais” (Publifolha, 2000,p. 127-129). Ali, ele diz, de Keith Jarrett: “Foi em 1997 que ele começou a gravar as primeiras canções, um presente de Natal para sua mulher. Sentia-se tão fatigado que “não tinha força para ser inteligente”, como declarou numa entrevista (Time, 15.11.99). Sem as defesas da inteligência, sem as melancolias do músico estudado, ele chega ao “espaço vital da canção”. Em quase todos os casos, o piano entra na música do jeito mais difícil e mais fácil: pela primeira nota, sem introdução. Em quase todos, acaba do jeito mais fácil e difícil também, concluindo a linha com o mínimo de esforço” (p. 128).

Tomara que o concerto em São Paulo seja publicado em CD, depois.

***

Complementando o post, o Valor publicou matéria bem legal sobre Keith Jarrett. Segue link: http://www.valor.com.br/cultura/2877148/keith-jarrett-retorna-ao-brasil-com-improvisos

Flip 2013 Graciliano Ramos

2 de outubro de 2012

Graciliano Ramos será o homenageado da Flip em 2013. Quando penso no estilo seco, curto e intenso de Graciliano, principalmente em Vidas Secas e São Bernardo, eu me suspendo. Tudo fica no ar.

Falando em Graciliano, li outro dia, em “O conto brasileiro contemporâneo”, organizado por Alfredo Bosi, dois contos de Ricardo Ramos, seu filho. Circuito fechado (4) e Circuito fechado (5). Lindos, os dois. Vou até transcrever um pouco do último: “Não foi o amor, a certeza, o amanhã, foram as ideias de, o conceito, enfim a sua redução. Não foi pouco nem muito, foi igual. Não foi sempre, nem faltou, foi mais às vezes. Não foi o que, e onde, e quando. Não, não foi”.


%d blogueiros gostam disto: