Posts Tagged ‘Nove tiros em Chef Lidu’

Meus temas estão no Carnaval

26 de fevereiro de 2017

Vi que o tema do baile do Copacabana Palace foi o Japão. Sabrina Sato estava de gueixa e vi a fantasia e achei bem pouco parecida com os kimonos de um livro que eu tenho.

Nunca fui ao Japão. Enquanto escrevia o romance “Viagem sentimental ao Japão” (Apicuri),  pesquisei demais e tive muita vontade de ir. Agora passou um pouco, mas chego lá.

Mas ver o baile do Copa inspirado no Japão me deu saudades desse tempo. Ninguém precisa ir ao Japão pra colocar a máscara, criar um personagem, imaginar. Anette, a personagem do livro, trabalha em agência de viagem e conta aos clientes ter ido lugares que não visitou.  Ela nunca viajou. As viagens dela são sentimentais.

E mais incrível ainda é acordar e ver que o tema do desfile da Rosas de Ouro em São Paulo agora de madrugada foi “Convivium, sente-se à mesa e saboreie”. Li que  os banquetes a da história da humanidade estavam no desfile, desde o Egito.

Proust deu muita importância às refeições, aos chás em porcelana, aos faisões, aos ovos mexidos com toucinho. A comida ajudou a tecer o ambiente de seu grande romance. Hoje, ao se falar de alimentação, o ponto de vista é restritivo. Fala-se mais sobre não comer do que sobre comer. Ou se faz regime, ou se tem diabete ou colesterol, ou se é vegano, ou não sei mais. Mas mesmo assim, comer bem, com família e amigos, ainda é uma delícia.

Os dois últimos romances que escrevi, “Nove tiros em Chef Lidu” e “Feliz aniversário, Sílvia”, têm a alimentação no contexto menos proustiano: a dieta está no ar.

Agora cedo, na minha casa, bem longe dos bailes e dos desfiles e do Japão e dos banquetes, me sinto ligada ao meu tempo.

Meus temas estão no carnaval!

Agora em e-book, Nove tiros em Chef Lidu

13 de agosto de 2015

Captura de tela 2015-08-13 10.29.40

Agora está o Chef Lidu nas páginas da Amazon, Apple, Saraiva, Kobo, Google. Baixei de todos, comprei meu livro, adoro ver a capa vermelha e branca no celular e no computador, em qualquer lugar, na nuvem.Trabalhamos duro para chegar a esse ponto, editora Circuito, e-galáxia, eu.

Gosto muito de Nove tiros em Chef Lidu. É claro que gosto de Viagem sentimental ao Japão, o primeiro romance. Mas é que o Chef Lidu, tendo sido o segundo, foi e é comparado ao primeiro, e há quem prefira o primeiro, que foi uma novidade e uma surpresa, poucos sabiam que eu levava tão a sério a literatura. E o livro provoca, mesmo, um encantamento.

Considero Nove tiros em Chef Lidu um passo a mais na minha escrita, um passo preocupado com os diversos aspectos da narrativa e com o humor na forma de narrar, que eu gosto de ouvir nos outros e que o personagem, Elvis, tem de sobra. Gosto da ingenuidade do escrivão de polícia de primeira viagem que precisa relatar a verdade no processo e não sabe bem qual.

A versão digital, pela e-galáxia, completa a impressa, tão bem editada pela editora Circuito.

Coletivo Literário Martelinho de Ouro e João Carrascoza na Livraria da Vila

11 de março de 2015

blogcarrascoza

Ontem, na conversa do Coletivo Literário Martelinho de Ouro com João Carrascoza, na Livraria da Vila da Lorena, em São Paulo, ele disse, falando de grupos e encontros, que faz parte da Geração 90.

Aí me lembrei, tenho até o livro, “Geração 90, manuscritos de computador”, publicado pela Boitempo Editorial em 2001. Nelson de Oliveira é organizador (escrevi aqui sobre esse livro em Macunaíma, de Luiz Bras). Abro o livro e os contos de João Carrascoza estão lá: Travessia e Duas tardes.

Gosto de olhar essas publicações que mostram ideias comuns, reúnem pessoas, tendências, escritos. Depois o tempo passa e os contos ficam lá, para serem lidos com outros olhos mais tarde, como eu faço agora, 14 anos depois. Os contos permanecem atuais porque 14 anos é pouco tempo na literatura.

Penso nas nossas publicações do Martelinho de Ouro, em “Achados e perdidos”, “Serendpt”, “50 anos daquele 64”, nos contos que escrevemos, nas conversas todas, é bom ter uma roda de escritura e de leitura como a gente tem.

Estou escrevendo este texto para deixar um registro, sob meu ponto de vista, da conversa de ontem. Algumas frases ficaram: literatura não é cópia das coisas. É reconstrução de mundos possíveis, evocação das coisas perdidas, temos vínculos de afetos com nossos amigos escritores, temos autores que nos inspiram e com quem nos digladiamos, também. João falou isso e mais, mas guardei essas frases.

Perguntaram-nos se consideramos nossa literatura feminina, se ela tem características femininas. Já pensamos nessa pergunta tantas vezes e a resposta foi que não faz diferença, ou não tem importância, ou é feminina mesmo, ou nem é, o que importa é o que se diz. Regina fala bem sobre  esse tema  porque muitos de seus personagens são masculinos e bastante convincentes.

É uma coincidência o coletivo ser formado por mulheres. Mas agora somos nós e pronto: Regina, Fatima, Lucimar, Teresinha, Gabriela, Paula, Concha, Flávia, Cris, Deborah, Sílvia, Izilda, Eliana.

Cada uma  leu um parágrafo pequeno de um conto da outra, do livro Serendpt, e esse foi um bom momento da tarde. Eu li, da Regina, esses parágrafos do conto Luís Antonio Raimundo, de Serendpt, p. 196: “Resolvi ir andando pra qualquer lugar. Que tivesse telefone, ou vendesse cerveja. Confesso, Rosalinda, que a essas alturas eu torcia pela segunda opção. Feito cupim alado, confundido na noite, minhas asas me arrastaram em direção a um clarão. Parecia perto, mas a cada lombada a luz dava impressão de andar mais pra frente. Cheguei a mudar o rumo, atrás dos reflexos que brincavam de espelho com a minha vista cansada de buscar foco no vazio”.

Perguntada sobre processo de escrita (Graziela, Palavraria Coletivo Literário, também escritora, perguntou), sobre como escrevo, respondi que, em meus dois romances, primeiro encontrei o personagem. Aí  ele me leva ao final da história em um contexto que me mobiliza. Em “Viagem sentimental ao Japão” (Apicuri), Anette está no mundo das viagens, e em “Nove tiros em Chef Lidu” (Circuito), Elvis está nos mundos da investigação criminal e da gastronomia.  Esses personagens têm personalidade forte,  conduzem a história, mesmo que, às vezes, o enredo lhes pregue algumas peças (isso acontece). Gosto de escrever narrativas mais longas.

João perguntou sobre como encontramos editoras e a resposta foi, de minha parte: perseverança e força de vontade. As editoras podem publicar os livros que  quiserem e simplesmente não há como convencê-las se elas não acham o livro bom ou vendável e isso não pode ser criticado. Há um mercado. Mas, por outro lado, como também já ouvi, há algo que se chama the long tail, e me parece que isso quer dizer que há sempre um lugar para quem insiste.

Valorizo cada conexão pela escrita. É muito bom encontrar leitores e, sejam um ou cem mil, como diz um livro de Pirandello, ligações são estabelecidas em um plano diferente, ainda não sei definir bem qual. E vivo melhor.

“Nove tiros em Chef Lidu”

25 de janeiro de 2015

lidu

“Nove tiros em Chef Lidu” ficou pronto (Editora Circuito, RJ).

Recebi o livro essa semana. A capa ficou muito bacana, cor branca, sangue vermelho, temperos verdes (capa de Rafael Bucker).

A história fala de interrogações, aprendizado, admiração, fome, vontade. E verdade?

E o texto é engraçado, eu mesma rio quando abro o livro aleatoriamente em uma página qualquer. Eu me surpreendo com o humor do livro. Elvis é um personagem bem legal. Dr. Magreza também. E Elisa. E Monalisa.

João Carrascoza escreveu um texto muito bacana para orelha: fiquei honrada.

Renato Rezende, poeta, escritor,  está à frente da edição.

Tomara que as pessoas gostem.


%d blogueiros gostam disto: