História de uma leitura (2): Dublinesca, de Vila-Matas

Página 215 de Dublinesca, COSACNAIFY

Página 215 de Dublinesca, COSACNAIFY

Terminei de ler Dublinesca. É muito bom, nem precisaria dizer. Quem gosta de ler sobre literatura,  gosta de Vila-Matas,  pois ele faz, da literatura, também, a sua ficção.

Literatura e religião mudam a vida das pessoas. Podem mudar.  Em Dublinesca, a mulher de Samuel Riba, Celia, torna-se budista e isso interfere no relacionamento deles, assim como a bebida: beber ou parar de beber. Em um casamento de anos, pequeno desvio  de rumo na vida de um, aparentemente insignificante, altera tudo.

Lendo o romance, tenho  vontade de levar Ulysses, de Joyce, a sério. Ou não. Ninguém deve se sentir obrigado a ler coisa alguma. Fiquei com vontade de ler Ulysses.

Fiquei com vontade de ler Beckett, também, outro autor que está dentro de Dublinesca, talvez até mais inserido que Joyce, já que o editor sonha em encontrar o grande autor, parece que essa é a expectativa de todos os editores. Mas como saber quem é o grande autor? O grande autor é Proust ou J. K. Rowling? Ou Paulo Coelho? Ou Joyce? Para um bom editor, o que é o grande autor?

Há momentos tocantes no livro, que deixam a literatura para trás, tratam de gente. Um deles é o abraço de Riba e Célia, na página 291: “Foi um abraço no centro do mundo”.

O livro é um caleidoscópio e gostaria de dizer muito mais. Mas não posso, cada leitor o lerá de um jeito, o livro é aberto e preciso respeitar outros companheiros e guardar, só para mim, as impressões fugidias da literatura. Mas encontrei um bom texto na internet, publicado no Jornal do Brasil: http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2011/06/25/resenha-dublinesca-de-enrique-vila-matas-3/

Tags: ,

3 Respostas to “História de uma leitura (2): Dublinesca, de Vila-Matas”

  1. Paula Says:

    Eu mesma quero fazer um comentário aqui. Comparando os dois textos sobre Dublinesca, sinto que o suspense, no início do livro, criado com a crise do personagem – editor que não mais edita e pensa sobre a sua vida – é um falso suspense: “Sempre aparece alguém que nunca se espera” (p. 314).
    Pensando bem, não é um falso suspense, mas o verdadeiro suspense: “Sempre aparece alguém que nunca se espera”.
    Chego à conclusão de que, sempre que se termina um livro, é necessário recomeçá-lo imediatamente.

    Curtir

  2. Artur Lins Says:

    Acabei de ler o livro. Apaixonei-me pelo seu comentário.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: